Praias no Espírito Santo

As majestosas cavernas de Postojna

 


   Os vinte e um quilômetros de galerias e túneis subterrâneos fazem das cavernas de Postojna a maior gruta da Eslovênia aberta ao turismo. Os visitantes podem ver cinco quilômetros da gruta, o passeio leva aproximadamente uma hora e meia e está disponível em quinze línguas.


   Dia de conhecer as famosas cavernas de Postjona. Chegar até lá, pela rodovia E61, foi tranquilo e assim que cheguei na cidade de Postjona, encontrei um ponto de informação turística na via principal. Pedi informações mais exatas sobre o local, quais os pontos mais interessantes para visitar e a localização de cada um deles.

LJUBLJANA - POSTOJNA: Mapa para reconhecimento do local.

   Eu já estava bem perto do complexo que foi erguido ao redor das cavernas de Postjona. Acredite, é impressionante a infraestrutura desse complexo parece uma mini cidade com lojinhas, bares, restaurantes, ponto de informação turística, guichês para compra de ingressos, banheiros, tudo para que o visitante se sinta bem acolhido.

# Procurando hospedagem em Postjona? Clique aqui para checar algumas sugestões.

   O lugar recebe por ano milhares de visitantes de todo mundo e, realmente, se faz necessária, uma boa estrutura para há uma necessidade física espacial em receber grandes grupos de turismo ao mesmo tempo.

POSTOJNA: uma das entradas para o estacionamento.
   Bem, quando cheguei ao núcleo de estacionamentos, não acreditei a dimensão do complexo que iria encontrar pela frente e fiquei com dúvidas se ali era o lugar certo para estacionar,  com isso, passei pelas entradas do parking do lado direto da estrada, que são os estacionamentos mais perto da entrada principal e fui estacionar na última entrada de estacionamento do lado esquerdo, o lado mais distante.. Aff! Tendo que atravessar a pista a pé e percorrer toda a extensão do parking do lado direito. Mas, tudo bem! Pude perceber que muitos tiveram a mesma dúvida do que a minha, pois o estacionamento da esquerda estava lotado e o da direita com menos de 30% de ocupação.

POSTOJNA

POSTOJNA

POSTOJNA
   Antes de chegar aos guichês, você encontra um grande mapa pelo caminho informando cada ponto do local. Esses mapas ajudam muito na localização de onde você está e qual caminho  fazer para chegar em seu destino. Após o mapa, há uma pequena ponte que facilita a sua chegada até um ponto de explicações onde tem, pelo menos, cinco guias poliglotas informando quais são os pontos de visitação e seus preços. Na hora achei uma perda de tempo ficar ali escutando aquilo, mas depois, quando segui até o guichê para comprar o ingresso, vi a importância de decidir qual combo escolher antes de chegar nessa fila. As filas andam super rápido e quem não tem a certeza de sua programação no local, acaba atrapalhando o fluxo e causando confusão e pela demora no guichê.

INGRESSO: opções de combo.

POSTOJNA

   Eu não tinha muito tempo por ali e nem interesse de visitar todos os lugares, então foquei nas grutas de Postjona e o castelo de Predjama. A visita para as grutas já é bem demorada, devido ao percurso de quase cinco quilômetros e por causa da espera para formar grupos. A visita tem hora certa para começar, então, sugiro que chegue no ponto de encontro dez minutos antes do seu horário programado.

POSTOJNA
  Enquanto isso, você aproveita o tempo para circular pelo local, ir ao banheiro, comprar algum lanche, passar nas lojinhas e apreciar a mata local, essa foi a minha parte preferida. Na entrada do complexo, há um agradável parque que cerca da foz do rio Pivka, que possui vinte e sete quilômetro de comprimento.

POSTOJNA: ponto de encontro.
   Chegado o momento, todos vão para a mesma direção, para o ponto de encontro onde os visitantes receberão novas instruções do que pode e não fazer durante a visita. De imediato, percebi que havia algo de estranho, porque a temperatura ambiente local está tão quente como o verão brasileiro e muitos turistas vestidos com casacos pesados. Pintou a dúvida! Vai nevar lá dentro? Olha, não neva porque você vai para um local coberto.. Kkk.. Mas que é um frio de rachar o osso, isso é! Dizem que a temperatura interna chega aos dez graus centígrados, mas acredito que a sensação térmica é bem mais baixa do que isso.

POSTOJNA: encontro dos grupos com seus guias.
   Dica: leve casaco e um tênis que não escorregue. Caso você esqueça do caso, pode alugar um assim que passar pelas catracas. O aluguel não é caro e há alguns modelos para escolher. Eu escolhi o mais simples deles, em formato de uma manta. O modelo dele te remete àquelas mantas russas, com tecido grosso, um botão na frente e que vai até o joelho. Fiquei uma graça com ele, pois eu estava de mochila, não tinha como passar o braço, fiquei a própria corcunda de Notre Dame! Mas quem liga pra isso?! Tudo foi festa e aventura!

POSTOJNA
POSTOJNA: mapeamento das grutas.
   O início dessa aventura é através de um trenzinho que avança dois quilômetros caverna a dentro, rápido demais pra tirar uma foto e provocando alguns sustinhos quando passa por estalactites que quase já desceram o suficiente para raspar na cabeça dos mais altos. Em dois casos, vi a obra humana reagindo contra a natureza: duas estalactites que foram cortadas para que o trenzinho pudesse passar.

POSTOJNA: passagem do trenzinho pelas galerias.(foto da web para ilustração)
 Os grupos são divididos por tipo de língua e direcionados a guias locais. Os guias mantém seus grupos concentrados para que todos possam escutar às explicações assim que saem do trenzinho e começam a andar pelas galerias cheias de estalactites, estalagmites e colunas.

POSTOJNA (foto da web para ilustração)

Definições do Wikipedia para:
  • Estalactites: se formam por rochas sedimentares que se originam no teto de uma gruta ou caverna, crescendo para baixo, em direção ao chão da gruta ou caverna, pela deposição (precipitação) de carbonato de cálcio arrastado pela água que goteja do teto;
  • Estalagmites: são formações que crescem a partir do chão e que vão em direção ao teto, formadas pela deposição (precipitação) de carbonato de cálcio arrastado pela água que goteja de uma superfície superior.
POSTOJNA (foto da web para ilustração)

POSTOJNA (foto da web para ilustração)

   Durante o percurso, o guia faz algumas paradas estratégicas para explicar a formação de estalactites e estalagmites específicas, comparando cavernas antigas com as novas, que ainda  estão em uma fase bem inicial de desenvolvimento, contando um pouco da história do lugar e sobre o proteu, um animal que vive no rio abaixo da caverna: ele é cego, pequeno, parece uma cobra aquática e vive com a ausência da luz. Pode ser visto um exemplar dele em um aquário ao final da caminhada.

POSTOJNA: o proteu (foto da web para ilustração)

   No final também há uma loja de souvenir onde comprei um livro sobre a evolução das cavernas, enquanto esperava  a parada do trenzinho, que nos levaria de volta para a superfície.

POSTOJNA (foto da web para ilustração)

   Esse passeio é agradável e fascinante, pela oportunidade de assistir à transformação do carbonato de cálcio, trazido pela água, para dentro da caverna e sendo depositado em rochas sedimentares em um longo período de tempo.

POSTOJNA (foto da web para ilustração)

   Já visitei algumas cavernas no Brasil, mas nunca tinha visto algo tão grandioso assim.

Seguem links de outros passeios pela Eslovênia:





Nenhum comentário

Obrigada por sua mensagem!