Praias no Espírito Santo

O que fazer em Split



  Split é a segunda maior cidade da Croácia, que se desenvolveu ao redor do Palácio Diocleciano. Cheguei em Split num ferry boat vindo de Hvar, mas em terra o gps resolveu tirar umas férias e não quis trabalhar kkk.. Saí do ferry sem rumo, nem prumo, com um monte de carros atrás de mim desesperados pra sair logo daquele lugar, e eu, tive que seguir o fluxo pra não atrapalhar o trânsito.






SPLIT: Primeira vez que estaciono o carro no porão de um navio (ferry boat da Jadrolinija) e a saída foi emocionante pois tinha que subir por um espaço bem estreito e chegando à superfície, o gps  tirou férias provisórias. 
STARI GRAD - SPLIT: Mapa para reconhecimento do local.

  Assim que pude, estacionei o carro e peguei o meu celular em busca do aplicativo de mapas via satélite: ele foi o salvador da pátria! Plano B infalível! Mas o cel tem que estar carregado, ok? Kkkk.. Lembrar de sempre carregá-lo à noite, porque já me aconteceu do celular morrer em momentos de sufoco também. Nesses casos, só chamando a ninja.. kkk.. brincadeira!

  A hospedagem ficava dentro da cidade antiga, mas pra chegar lá, tinha que dar uma volta pela cidade, porque não é permitido a circulação de carros de passeio pela complexo histórico. Chegando perto da hospedagem, fui observando onde poderia estacionar o carro porque as ruas eram bem estreitas e os próprios moradores estacionavam seus carros por elas devido à falta de garagem nos prédios. Resumo da ópera, aumentava o grau de dificuldade para achar um cantinho.

  Bem, já tinha entrado em contato com o dono da pousada onde fiquei e ele tinha me informado um ponto perto para achar uma vaga, que por sorte achei. Uma dica ótima é sempre entrar em contato com o responsável pelo lugar o qual você vai se hospedar antes da chegada, para confirmar a reserva e pegar dicas de como chegar até ele.

  Chegando no quarto, foi o tempo de deixar a bagagem, tomar uma chuveirada e sair pra bater perna pra conhecer o local. Às vezes chego bem cansada em alguns destinos, mas sempre faço um reconhecimento do local antes de qualquer coisa, pois te ajuda muito a priorizar as visitas naquele lugar. No caso de Split, ainda era hora do almoço, então a pedida era procurar um lugar pra almoçar e iniciar as visitas locais.

SUGESTÃO de hospedagem em SPLIT:


  1. Apartments MARJAN Vidilica
  2. PROMENADE Apartment
  3. Rooms MARGARITA
  4. ROOMS and Apartments DJANOVIC
  5. PERUZOVIC Rooms & Apartments
  6. Apartments VILLA Mak
  7. CAPOGROSSO Palace
  8. Heritage Hotel ANTIQUE Split
  9. EPICENTER Apartments Split

  A Riva, rua principal da orla, geralmente é o ponto onde há mais concentração de bares, restaurantes, pessoas circulando, lanchas atracando e lugares históricos. A de Split é bem extensa, ampla e agradável. Muitas barraquinhas de artesanato e agências de viagem, oferecendo guias locais, se instalaram lá.


SPLIT: a Riva, beira mar

  O Palácio Diocleciano foi a primeira construção de Split e é a atração que mais se destaca no local. O Diocleciano era um imperador romano que construiu seu palácio à beira mar  entre os anos de 295 e 305, perto de ilhas paradisíacas da Croácia. As pedras usadas na construção foram trazidas da Ilha de Brac (essa ilha hoje é conhecida por sua produção de azeite), as colunas e as 18 esfinges foram trazidas do Egito. Dizem que o chão da praça principal do palácio era revestido por ouro para que a luz solar refletisse o brilho de poder nos trajes do imperador durante suas aparições públicas. Ele permaneceu no palácio até a sua morte em 311.


SPLIT: desenho do Palácio Diocleciano a beira mar na época de seu império. Figura da web para ilustração.

  Hoje, o turista ainda encontra a muralha em bom estado, a catedral na praça principal, o mausoléu do imperador, o vestíbulo, o templo de Júpiter e os porões onde eram lugares de armazenamento de alimentos e de lixo também. O alimento era armazenado lá porque a temperatura ambiente no subterrâneo era, e ainda é, bem congelante facilitando a conservação dos produtos. E o lixo, porque tinham buracos nos tetos que os ligavam às casas no andar de cima e as famílias jogavam o seu lixo por esses buracos. Dizem que foram esses dejetos petrificados pela baixa temperatura que preservaram as estruturas que hoje podem ser visitadas. Olha, a gente passa por cada lugar e vê tantas coisas que não duvido de mais nada, mas também fiquei curiosa em saber como era essa divisão no subterrâneo para que eles não morressem por contaminação alimentar. Se alguém souber, por favor, comente. Esse blog foi criado para que as pessoas possam interagir.


SPLIT: entrada do Palácio de Diocleciano.





SPLIT: Portão de Bronze

  O dia estava ensolarado com temperatura ambiente bem elevada e assim que entrei no subterrâneo do palácio, através do Portão de Bronze, percebi que a temperatura ambiente se modificou drasticamente, não consigo nem imaginar o tão frio deve ficar ali durante o inverno croata. Este lugar, atualmente, está sendo ocupado por pessoas que comercializam jóias, bijuterias e lembrancinhas locais.


SPLIT: corredor principal entre a Riva e a Catedral.

  As ruínas subterrâneas são abertas para o público, mas não consegui ficar muito tempo ali devido a umidade e um cheiro forte de mofo, sou alérgica! Pra quem vence bem esse tipo de barreira que a umidade constrói, pode conferir os porões da época Diocleciana em bom estado de conservação, sofrendo poucas intervenções humanas ao longo do tempo.




SPLIT: entrada principal para a visita ao subterrâneo do palácio.
SPLIT: subterrâneo do palácio. Figura da web para ilustração.

  Seguindo o corredor, você encontra ainda alguns vestígios do porcelanato romano no piso, com sua formas geométricas (já visitei lugares com registros como esse, em Portugal e Espanha, em um estado melhor de conservação). 


SPLIT: decoração romana no chão


SPLIT: decoração romana no chão

  Assim que você sobe as escadas, do outro lado do corredor, chega até a praça principal que era a área central do palácio, onde se localiza a Catedral de São Domnius e outros pontos de visitação. Há um ponto de informação turística na praça, instalado na antiga igreja de São Roko, onde é possível adquirir mapas da cidade e obter informações importantes.

SPLIT: praça principal rodeada de colunas romanas, com a esfinge e a catedral no lado esquerdo da foto.


  Um detalhe bem marcante foi encontrar uma das esfinges no local que, na cultura egípcia representa um símbolo de poder soberano, do Faraó e da realeza. Ela possui uma forte conotação funerária também, como guardiã dos túmulos e nesse caso, próximo ao Mausoléu de Diocleciano.

SPLIT: Torre da catedral de São Domnius.
SPLIT: Igreja de São Roko que virou ponto de informação aos turistas.
SPLIT: Templo de Júpiter.

  
SPLIT: Mausoleu em forma hexagonal e torre da catedral.



SPLIT: Topo do vestíbulo.


SPLIT: Portao de Prata atras de mim.

  Atravessando a parte velha, se chega ao portão norte do antigo palácio, o Portão de Ouro, onde se pode avistar a impressionante estátua de Gregório de Nin, um bispo que introduziu no século X, o idioma croata às cerimônias religiosas cristãs que até o momento eram realizadas em latim. Há um costume local de esfregar o dedão da estátua pra dar sorte. Então não custa nada, neh? Fui lá ajudar a limpar o dedão da estátua... Kkk.. o qual está extremamente brilhoso em comparação ao restante dela. Já percebi que em cada lugar há uma estátua dessas com esse intuito, até fucinho de javali eu já esfreguei.. Kkk.. não serei eu quem irá quebrar os costumes locais!


SPLIT: estátua de Gregório de Nin, o precursor da língua croata nas cerimônias religiosas cristãs.

  Há comércio local perto de todos os principais portões do palácio, sendo que nos de ouro e prata tem uma concentração maior de barraquinhas vendendo frutas entre outras coisas. Segue abaixo um mapa com uma das opções de caminhada dentro do palácio.


SPLIT: um dos caminhos indicados para percorrer as ruelas do palácio.

  Perto da praça Narodni, número 6 no mapa, você encontra uma torre com um relógio bem antigo o qual não marca 12 horas e sim 24h, o famoso relógio 24h! Todo o conjunto arquitetônico em volta dessa praça é fantástico pois mostra as várias influências trazidas pelos egípcios e romanos, nos remetendo a um outro tempo. A praça é cercada por cafés, restaurantes, hotéis e onde circulam inúmeros turistas. O local é bem agradável e ótimo para sentar e observar a movimentação.

SPLIT: relógio de 24 horas.

SPLIT: ruelas pelo palácio.

SPLIT: ruelas do palácio, uma mais charmosa do que a outra.


Outras opções de turismo em Split são:
  • Pegar lanchinhas ou ferry boat para conhecer as ilhas próximas como Brac, Vis e Hvar.  No meu caso, eu vim de Hvar, mas pra quem não conhece, o passeio é imperdível.
  • Ir até o Monte Marjan onde há um mirante com uma vista fantástica de toda Split. Aviso aos navegantes pra preparar os joelhos antes, porque a escadaria promete fortes emoções.
  • Passar por toda extensão da Riva pra admirar a orla e pegar a rua Marmontova, rua de pedestre com concentração de restaurantes, hotéis, lojas que mostram o lado mais moderno da cidade, mas com galerias destacando a herança da arquitetura veneziana.
  • Seguir toda a Marmontova até chegar na praça Gaje Bulata onde se encontra o Teatro Nacional Croata.
  • Há museus e galerias ao gosto do turista, mas confesso que depois de visitar o Palácio Diocleciano, já estava embebida da cultura local e não busquei essa opção em Split.

SPLIT: a Riva do lado oposto ao palácio

SPLIT: Praça da República com arquitetura veneziana.

SPLIT: o finalzinho da rua Marmontova, lado moderno da cidade.
SPLIT: Teatro Nacional Croata.

  Para quem gosta de visitar cidades medievais, perto se localiza a cidade de Trogir. Fui até lá de ônibus, pois foi tão difícil achar vaga pra estacionar o carro que achei melhor deixá-lo parado durante a minha estadia e percorrer os arredores a pé e de ônibus mesmo. 

Clique aqui para abrir o Post sobre Trogir.

  Chegando a Split, a dica é relaxar e curtir o fim da estadia na cidade em marcha lenta e já se despedindo, com o último olhar dos caminhos percorridos e assistir o pôr do sol na Riva. 


SPLIT: relaxando e aproveitando os últimos momentos.

 Seguem links de outros passeios pela Croácia:


9 comentários:

  1. Dani, quanto tempo deve-se ficar em split?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu fiquei 2 dias inteiros em Split o que foi suficiente para visitar todos os lugares que havia programado.

      Excluir
  2. Dani, quais os pós e contras de ir a Croácia em relação a outros destinos mais procurados na Europa?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todos os destinos têm os seus encantos, basta você identificar o que mais gosta e escolher um destino que encaixe com sua personalidade. Eu amo a natureza e a arte, por isso, que essa viagem foi uma realização plena pra mim. Estar no convívio da natureza e realizando atividades em praias, trilhas, montanhas, parques nacionais com uma pitada de história milenar foi incrível.

      Excluir
  3. ps: adorei as fotos e a arquitetura romana! Lembra um pouco a arquitetura de algumas cidades na Espanha.. Incrível o legado do império romano...

    ResponderExcluir
  4. Tem opera lá no teatro nacional croata?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, opera, ballet.. segue link do Teatro Nacional Croata de Split.
      http://www.hnk-split.hr/

      Excluir
  5. Dani, que riqueza de detalhes! Adorei! Muito completo, do jeito que eu gosto!!!

    Acho que vou lá esfregar o dedão... é dedão do pé, né? Pois, pelo que vi na foto, se for da mão só mesmo o Julio para escalar lá e esfregar! kkk

    beijos,
    Lily
    www.blogapaixonadosporviagens.com.br

    ResponderExcluir

  6. Ainda bem que é o dedão do pé.. kkkk.. aproveita pra passar na feirinha de antiguidades que fica pertinho dali. Sempre compro algumas coisinhas pra decoração da casa. Bjao

    ResponderExcluir

Obrigada por sua mensagem!