Praias no Espírito Santo

Fuja do Óbvio em ROMA


Roma é muito mais do que a capital da Itália, é sinônimo de poder e glória, conquistados através de muitas lutas, guerras e domínio de povos durante muitas gerações.

A cultura romana marcou uma era, predominando nos territórios dominados traços romanos nas artes, língua, gastronomia e principalmente na arquitetura como em Portugal, Espanha, Croácia e entre outros lugares.

Impetuosos imperadores fizeram de Roma o centro do universo e hoje, a cidade é visitada por milhares de pessoas: amantes da história, das artes e curiosos, que gostam de conhecer lugares interessantes.

Nesse roteiro, eu saio um pouco daquela rota super batida das agências de turismo, que já fiz na minha primeira vez em Roma. O meu foco nesse post será transmitir a vocês como foi a minha passagem por Roma, de uma forma diferente, transitando por ruas pouco mencionadas pelos roteiros tradicionais, descobrindo novos lugares tão encantadores quanto os famosos e permitindo interagir mais com o cotidiano da cidade.

Vamos lá?

Primeira coisa que pensei, quando incluí Roma no meu roteiro de viagem, foi em reservar uma hospedagem bem no coração da cidade. Mas vão me perguntar: Dani, não é mais caro?! Sim, acaba sendo mais caro, mas se você for considerar o custo X benefício, é a melhor opção!

Mesmo que o metrô e o ônibus funcionem maravilhosamente bem, você sempre perde um tempo no transporte e poucas são as pessoas que ficam mais de três dias em Roma. O tempo sempre acaba ficando curtíssimo e precisa ser muito bem aproveitado. Sem contar que o centro de Roma, perto das principais praças, possui um ótimo policiamento, um fator importante para quem volta bem mais tarde para o hotel.


VEJA A MELHOR OPÇÃO DE HOSPEDAGEM AQUI!



Booking.com


A minha hospedagem foi na Via del Corso e não quero outra vida. Ela é uma das principais vias da cidade, com o comércio em erupção: muitas lojas, hotéis e atrações turísticas próximas. 

De uma ponta, você encontra a Piazza Venezia, onde está o fabuloso monumento Vittorio Emanuele II e da outra ponta, a Piazza del Popolo (um dos principais pontos de entrada da cidade antiga, literalmente). É nela que você encontra um dos portões de entrada para a cidade velha, além de ser uma praça gigantesca com igrejas importantes.


Vou começar o roteiro pela Piazza Popolo, mas você pode iniciar por onde tiver mais perto de sua hospedagem. É uma das mais visitadas praças romanas, devido à proximidade com o metrô. Há algumas construções marcantes como:

1- a igreja Santa Maria dei Miracoli
2- a igreja Santa Maria in Montesanto
3- a igreja Santa Maria del Popolo

Todas são culturalmente importantes para a cidade, sendo que a que mais me chamou a atenção foi a Santa Maria del Popolo, que não é tão visitada como as outras duas, e possui uma riqueza inigualável, como a arte de Caravaggio


Essas duas telas ficam na última capela da igreja: A Crucificação de São Pedro e A Conversão de São Paulo.

Fiquei surpresa quando vi! Há uma grande concentração das obras dele em Veneza (dentro das igrejas e do Palazzo Ducale), mas reencontrar uma obra dele em Roma, foi maravilhoso.

As fontes também tem o seu charme:

4- Fontana del Nettuno
5- Fontana della Dea Di Roma
6- Fontana dei Leoni



Além do Terraço do Pincio, com jardins bem cuidado e com uma linda vista panorâmica. Se você estiver por ali no final do dia, vale a pena registrar o pôr do sol.



Após essa primeira etapa, desci pela Via Di Ripetta, onde você encontra tanto o Mausoléu de Augusto, quanto o museu Ara Pacis.

Peguei a ponte Cavour, para acessar o outro lado do rio Tibre, a Lungotevere Prati. Caminhar por ali é uma ótima opção para fugir das disputadas ruas romanas, beirando o rio, embaixo do frescor das árvores.


Descendo um pouco, você já consegue ver a igreja Sacro Cuore del Suffragio e o Palácio Giustizia, onde fica a Corte Suprema Di Cassazione, a Procura Generale della República (Tribunal) e a Biblioteca Centrale Giuridica.





Não deixem de observar as estruturas das pontes. Há algumas durante o percurso e cada uma delas com sua história.

Seguindo em frente, você transita pela Lungotevere Castello e, a partir daí, por um agradável caminho pelas sombras das árvores, onde pode encontrar várias barracas vendendo livros usados, objetos de decoração, além de pintores desenhando caricaturas.






A próxima parada já faz parte do complexo Sant’Angelo, onde você aprecia tanto o castelo (que virou um museu) quanto a ponte, que foi construída entre 134 e 199 pelo imperador Adriano.

Nesse ponto, você já está bem próximo do Vaticano, apenas seguir a Via della Conciliazione e já chega lá. Fui até o sinal de trânsito para tirar uma foto, mas logo retornei para o roteiro planejado. 


Para quem nunca foi ao Vaticano, sugiro que separe um dia inteiro para a visita. O país é pequeno, mas com muitos atrativos interessantes, como: a Basílica de São Pedro (gigantesca, com muitos detalhes, podendo visitar parte do porão e a torre), os jardins, o museu com muitas obras de arte importantes, além da Capela Sistina.



Voltando pela ponte príncipe, você já encontra o igreja San Giovanni Dei Fiorentini, onde sua frente fica na Piazza D’Oro. Logo em seguida, você passa pela via Giulia (a rua mais comprida de Roma)


Nesse ponto, fui em direção a Piazza dei Coronari, para pegar a via Coronari. Quando você entra na Coronari, percebe que saiu daqueles roteiros devastadores com milhões de pessoas e mergulhou de cabeça nas simpáticas vias culturais, que foram tão importantes como via de acesso na época dos imperadores.



Andando um pouquinho, depois de apreciar as antigas construções, fontes, portões e sacadas históricas, vai encontrar a Immagine Di Ponte (que fica na esquina com a via Vicolo Domizio). Esse santuário é pouco percebido pelas pessoas, mas de um valor histórico inestimável para Roma.

De acordo com as minhas pesquisas, que foram feitas antes da minha viagem, li que o santuário fazia parte de alguns pontos de peregrinação da via Coronari até chegar a ponte Sant’Angelo, que era um dos principais caminhos de acesso ao Vaticano. A pintura na parede está bem apagada e protegida com um vidro.

Seguindo em frente, fiz um pitstop na gelateria del Teatro, para saborear os sabores do autêntico sorvete italiano. Quem acompanhou a minha viagem sabe que comi muitos gelatos durante o meu tour pela Itália. Quer algo mais saboroso para se deliciar no verão europeu?

Farei um post sobre a comida italiana.


Descendo um pouco mais a via Coronari, você chega até a Piazza Di San Simeone. Sugiro que olhe para cima e verá uma bela apresentação da arquitetura do século passado nas construções em volta da praça.


Nesse ponto, sai um pouco da Coroni e fui sentido ao rio. Você vai encontrar um antigo muro, que hoje está grafitado com imagens representando um pouco da cultura romana. O muro foi construído como barreira de contenção para impedir que as águas do rio Tibre, nas épocas de enchente, inundassem as vias de Roma.


Voltando para a Coronari, atravessei a Piazza Di San Simeone e fui até a Piazza Di Montevecchio, passando pela igreja Santa Maria della Pace (com capelas maravilhosas) até chegar na via Di Tor Millina. Essa rua é outra gracinha de Roma, com várias delicatesses, bares e mercearias até chegar na exuberante Piazza Navona.



A Piazza Navona é uma das minhas favoritas e não é à toa que o consulado brasileiro fica localizado nela. Há muitas cafeterias, bares, restaurantes e lojinhas ao redor dela, mas o que me enche os olhos são as obras de arte expostas na praça, como:

1- Fontana del Nettuno
2- Fontana dei Fiumi
3- Fontana del Moro






Além do Palácio Torres, Santuário Nossa Senhora del Sacro Cuore e igreja Sant’Agnese in Agone.

Saindo da praça Navona pela via del Salvatore, você passa pelo Palazzo Madama e na esquina com a via della Dogana Vecchia, não deixe de entrar na igreja de São Luís dos Franceses. Além de sua beleza interior, há três obras preciosas de Caravaggio, vale a pena conferir: O Martirio de São Matheus, São Matheus e o anjo e A Vocação de São Matheus.





Dica: a luz que ilumina a obra se acende colocando uma moeda, realçando a beleza da pintura.



Após a visita à igreja, siga em frente pela via Giustiniani até chegar a Piazza della Rotonda e verá o magnífico Panteão a sua frente. 


Após a visita, siga até o Largo Di Torre Argentina. Ela fica numa região de Roma onde há alguns templos da época da República Romana, além das ruínas do Teatro de Pompeu e onde o imperador Júlio César foi assassinado.





Nessa altura, você estará na Corso Vittorio Emanuele II, siga em direção a via del Plebiscito, até chegar no Palazzo Venezia, onde já foi a embaixada da República de Veneza na cidade de Roma.

Você estará na famosa Piazza Venezia, que contém uma grande circulação de pessoas, vários pontos de ônibus e entrada para importantes vias romanas, como:



1- via del Corso, mencionada no início no texto;
2- via dei Fori Imperiali, a principal via para visitar o Foro e Mercado de Trajano, Foro de César, Foro di Augusto, Foro di Nerva, Foro Romano, Basílica Di Massenzio, Basílica Di Santa Francesca Romana até chegar ao Coliseu.

Voltando para a Piazza Venezia, sugiro que suba a escadaria até chegar a basílica de Santa Maria in Aracoeli, construída no cume do Monte Capitolino. A vista lá de cima para o Foro Romano é especial. Fica a dica!







Mas não para por aí não, você já está cansada(o)? Kkk… E a Fontana Di Trevi? Não vai conhecer?! Então vamos lá…

Peguei uma rua menor, paralela à via del Corso, passando pela Coluna de Trajano, pela igreja Santa Maria Di Loreto, desci a via del Fomari, depois peguei a Piazza Santi Apostoli, paralela à via del Corso, até chegar a Via dell’Umiltá, principal via de acesso a Fontana Di Trevi.




Só seguir o fluxo até a via Di San Vincenzo e voilá! Chegará a famosa Fontana Di Trevi, a qual foi projetada, durante o Renascimento, e redesenhada, no período Barroco. Havia um costume dos romanos de construir fontes no final de aquedutos, que conduziam a água para a cidade.


Mas a fama dela veio à tona, quando apareceu no filme Lá Dolce Vita, onde a atriz Anita Ekberg convida o ator Marcello Mastroianni a entrar na fonte com ela.

Voltando para a via del Corso, você pode ainda conhecer o Templo de Adriano (que fica próximo), passar pela Piazza Colonna, com o Palácio Wedekind ao fundo, e na rua logo à esquerda, passará pelo Palazzo Chigui e Montecitorio, onde hoje é a Câmara dos Deputados de Roma.





Pegando a via dei Condotti, uma das ruas mais sofisticadas de Roma, com lojas de marcas internacionais de luxo. Siga essa via até chegar a Piazza Di Spagna, onde há a Fontana della Barcaccia, Scalinata Di Trinita dei Monti e a Coluna de Imaculada.




Ainda tenho mais uma dica de rua que você vai se apaixonar por Roma e perder aquela imagem de multidões por todos os lados… Vem comigo!

A via Margutta, que é considerada a rua dos artistas. Fica paralela à via del Babuíno. Foi lá que Pablo Picasso conheceu a bailarina Olga Chochlova, além de ter sido palco de moradores ilustres como o cineasta Federico Fellini e escritor Truman Capote.




Espero que esse tour a pé possa te proporcionar um passeio ao passado romano e que você fique repleto de boas lembranças como eu fiquei.

Mas lembrem, caso seja a sua primeira vez em Roma, sugiro que comprem o Roma Pass para visitar o Coliseu e o Foro Romano. O procedimento do Roma Pass é oferecer a primeira entrada FREE e as outras, com 50% de desconto. Como as entradas mais caras são o Coliseu  o Foro Romano (há um combo que faz com que você conheça os dois). 

Fique de olho em sua melhor opção de viagem e divirta-se!

Se gostou de minhas dicas de como andar Roma ou tem dúvida de algo, pode deixar o seu comentário no post que eu te respondo. Bjkas

2 comentários:

  1. Muito informativa a postagem! Geralmente tento mesclar os passeios ditos "obrigatórios" com outros que fogem do óbvio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Gosto de oferecer mais opções para os próximos viajantes. Eu sou uma viajante nata e adoro ler novidades na net, então, tento buscar novas alternativas e pontos de vistas sobre as cidades que visito pela segunda vez.

      Excluir

Obrigada por sua mensagem!