PINTEREST

Colmar, a princesinha da Alsácia!



Quem assistiu o filme a Bela e a Fera da Disney, vai identificar as ruelas e arquitetura de Colmar, a princesinha da Alsácia. Ela é a típica vila medieval francesa, fundado no século IX, em 1632.

A região da Alsácia fica na França e faz fronteira com a Alemanha e a Suíça. Durante muito tempo, houve batalhas na região, sendo parte das edificações destruídas pelos alemães.



Os conflitos se deram pelo fato da região ser localizada próxima ao rio Reno, que atravessa seis países Áustria, Liechtenstein, Países Baixos, França, Alemanha e Suíça e deságua no mar do Norte. Ponto estratégico para locomoção, além de abastecer as tropas com água e alimento.


A história ficou registrada em sua arquitetura, que mescla o neoclássico francês às graciosas construções alemães em enxaimel. O viajante que visitar os principais pontos da Rota do Vinho, na Alsácia, poderá ver de pertinho o mix dessas duas culturas na região.



Colmar é a terceira maior cidade da região e dizem que a sua atração principal é a “La Petit Venise”, que lembra os canais de Veneza. Eu até achei interessante essa comparação, mas o que me atraiu até Colmar foram: a simpatia do povo local, a praticidade de andar pé pelo centro, os diversos cafés/restaurantes, as lindas flores espalhadas por todos os cantos e o preço da hospedagem (mais em conta do que em Freiburg, na Alemanha).

Como chegar em Colmar?

Eu estava em Estrasburgo e desci de carro até Colmar. O trajeto leva aproximadamente 45 minutos. Se quiser, pode até fazer um bate e volta. Mas se você estiver em cidades mais distantes, como Munique (4h e 30min) ou Frankfurt (3h e 30min) ambas na Alemanha, sugiro que peguem a estrada logo após o café da manhã para pegar luz do dia em Colmar.


Há a opção de ir de trem de Estrasburgo até Colmar, você pode comprar os bilhetes pela net ou na hora, na estação. O valor fica entre 12 a 15 euros, por pessoa em cada pernada, pelo trem regional TER Alsace.

Atenção: Se a sua opção é ir de trem, passando o dia em Colmar e depois, partir para dormir em outra cidade, fique atento que NÃO há guarda volume na estação ferroviária. Mas você poderá deixar sua bagagem num hostel ou hotel, pagando uma taxa.

Dica: a estrada francesa é tão boa quanto a alemã, mas estreita. Percebi que os alemães correm bastante nas estradas e nada melhor do que viajar com a luz do dia para manter a sua viagem mais segura.


Dica: se for de carro, sugiro que entre no Google para checar a estrada antes da viagem, pois elas são boas devido às manutenções frequentes e por isso, às vezes, estão interditadas para obras.



Onde se hospedar em Colmar?

Como havia dito, Colmar é considerada uma ótimo lugar para fixar a sua base, pois a hospedagem é mais em conta e além de fazer parte da Rota do Vinho, fica perto de Riquewihr, Ribeauville, Kaysersberg, Eguisheim e Estrasburgo. Há muitos outros pequenos vilarejos ou cidades pela Rota do Vinho, mas essas são as principais e imperdíveis.

Também está localizada perto de lugares em outros países como, Freiburg, Floresta Negra, Baden Baden (Alemanha) e Basel ou Basileia (Suíça).

Atenção: se visitar a Suíça de carro, precisa comprar o adesivo na fronteira.

Sugestões de hospedagem em Colmar:


O que fazer em Colmar?

1- Catedral de Colmar, igreja gótica de Saint Martin: construída entre 1235 e 1365. Quando cheguei, estava fechada, mas foi da Place de la Cathédrale que iniciou o meu tour pela cidade.



2- Ancien Corps de Garde: construída em 1575. As decisões do conselho da cidade era anunciadas pela sacada da janela.



3- Passeio de barco: eu acho que não vale a pena, fiz um parecido em Bruges, na Bélgica, e saí com aquela sensação de que perdi o meu tempo nisso. Mas o valor é bem convidativo, numa média de 6 euros por pessoa.

Mas caso você esteja de lua de mel ou é uma pessoa romântica, então esse passeio foi feito especialmente para você. Kkk




Saída: os barcos saem perto da Rue Turenne.

Dica: um passeio que eu AMEI e recomendo foi o que fiz em Estrasburgo, esse sim valeu a pena, pois o canal é grande, proveniente do rio Reno. Ele circula pela cidade velha de Estrasburgo, com áudio guia informando a história de todos os cantos por onde o barco passa. Sem contar que ele te leva pertinho na sede do Parlamento Europeu, parte moderna da cidade.

4- Museu Bartholdi: casa onde Auguste Bartholdi morou. Pegou fama por ter sido o criador da Estátua da Liberdade de Nova York.



5- Casas que chamam a atenção:

Maison Adolph, construída em 1350 e sendo um dos edifícios mais antigos de Colmar.




Maison Pfister, um dos símbolos de Colmar, construída em 1537 por Ludwing Scherer, misturando estilos medievais e renascentistas. A frente da casa possui pinturas bíblicas, que eram adotadas pela burguesia do século XVI.



Maison des Tetes, hoje, abriga um hotel que manteve a sua arquitetura original renascentista de 1609, com intrigantes 106 cabeças de demônios, animais e querubins esculpidas na fachada.


Foto: Colmar Tourisme
6- Rota do Vinho: degustação nas vinícolas. Há uma variedade de uvas na região, como: Muscat (vinho seco), Pinot Noir (vinhos mais leves do que outras regiões francesas), Pinot Blanc (vinho com um aroma agradável e discreto), Pinot Gris (vinhos encorpados e macios), o Riesling (a grande estrela da Alsácia) e Gewürztraminer (vinho com aroma intenso de frutas, florais e especiarias).

Dica: em Outubro, há os festivais do vinho, comemorando o fim da colheita da uva.


Foto Colmar Tourisme

7- Mercado de Natal (Marchés de Noel): são feiras voltadas para o turismo natalino,  com funcionamento no mês de dezembro até dia 30 e espalhadas por algumas regiões de Colmar, como: Little Venice, Place Jeanne D’Arc, Place des Dominicains, Place de L’Ancienne Douane e Koifhus.


Foto: Google
8- Unterlinden: localizado num convento dominicano do século XIII, com obras de artistas desde a época medieval, passando pelo renascimento até arte popular e artesanato.




9- Mercado central coberto (Marché Couvert): localizado perto da Petite Venise e só abre às quintas-feiras.


Foto: Google
10- Petite Venise: imperdível! Antigamente, era a região pesqueira da cidade, onde os cidadãos e restaurantes recebiam peixes frescos. Hoje, virou atração turística por ser muito semelhante aos canais de Veneza, além das casas no estilo Enxaimel, que estão presentes em todos os cantos.

Para os amantes da fotografia, sugiro a Pont St Pierre, onde você terá uma vista especial da Petit Venice.




Dica: fique atento que não é permitido circular de carro pela cidade antiga de Colmar. Há estacionamento público próximo, sendo pago através de parquímetro. Aos DOMINGOS, o estacionamento é Free.

Onde comer em Colmar?

Além de diversos restaurantes concentrados na cidade velha, há também opção de comida no mercado central da cidade, que foi construído em 1865 e desde 2010, possui uma modelagem nova em seu interior.

Os weinstubes também são uma boa opção, onde se serve vinho em jarras e as comidas típicas estão no menu.


Foto: Google

Comida típica da região: a tarte flambée, o chucrute, o baeckeoffe, a massa brioche Kougelhopf, adoçada com uva, o kassler e a salada alsaciana, com salsinha branca e queijo Gruyeres.

Dica: se estiver na dúvida do que pedir, peça o menu do dia. Além do preço mais acessível, o prato chega rápido e vem fresquinho.

Dica: os restaurantes não ficam abertos por muito tempo. Depois das 14h, você já encontra muitos fechados, que reabrem somente para o jantar.




Aprenda a planejar a sua viagem e não esqueça de alguns detalhes fundamentais, como:

1- O Seguro Viagem: hoje em dia, não tem como viajar para o exterior sem o seguro viagem. Há diversos no mercado, por isso, eu sempre pesquiso pelo Seguros Promo

Você preenche o destino e a data da viagem e ele faz uma busca com as seguradoras do país,  informando o melhor preço. 



2- O aluguel do carro: outro item que a gente faz perder um tempão pesquisando. Hoje, eu faço a minha pesquisa através da Rent Cars, um site que compara aluguel de carro em mais de 100 locadoras do mundo. 

Sem contar que pode pagar em Real, evitando o pagamento do IOF.





Vejam também:

Estrasburgo, a capital da Alsácia




Nenhum comentário

Obrigada por sua mensagem!