10 lugares imperdíveis em Milão


Milão, a cidade italiana conhecida por ser um dos lugares de destaque no circuito internacional da moda. Possui mais de quatro milhões de habitantes, tem um legado fabuloso no registro da arte e história europeia.

Foi nesse cenário de muitas guerras e lutas pelo poder, que Napoleão fincou um mini arco do triunfo (Arco della Pace) nos jardins do castelo Sforzesco e que o magnífico Leonardo Da Vinci marcou as paredes do refeitório da igreja Santa Maria delle Grazie com sua obra a Última Ceia, além de outros acontecimentos na cidade durante os séculos.

Milão me surpreendeu! Achei que fosse um destino de um dia, mas não. Sugiro que fiquem, pelo menos, dois para conhecer os principais pontos da cidade. Nesse post, "10 lugares imperdíveis em Milão" falarei dos principais pontos turísticos na cidade.

Como chegar em Milão?

De avião: há dois aeroportos na cidade, o Malpensa e o Linate.

De carro: caso esteja viajando de carro pela Europa.

De trem: foi o meu caso, peguei o Trenitalia na cidade de Tirano, divisa com a Suíça.



O que fazer em Milão?

1- Cenacolo Vinciano: visitar o obra de Da Vinci na igreja Santa Maria delle Grazie.

O bilhete da entrada é vendida no site Milan Museum, mas é bastante concorrido. Você precisa se planejar com muita antecedência para comprar o bilhete. Há a opção de compra pelo telefone. Liguei algumas vezes pelo Skype, mas sempre caia na secretária eletrônica.




Caso não consiga, há sites que vendem um combo da entrada com mais um city tour pelo centro de Milão, com guia. Acabei comprando o combo, pois os ingressos pelo site já estavam esgotados. Paga-se mais caro, mas até que o city tour foi bom. A guia sabia muito da história de Milão e andou bastante com o grupo, passando por ruas históricas e dando dicas dos lugares.



A visitação é controlada, com no máximo 25 pessoas por grupo. Assim que você entra, já não pode mais sair pelo mesmo caminho. Há várias portas eletrônicas que se abrem, após o fechamento da anterior. E assim que você chega na sala, antigo refeitório, só terá direito de permanecer nela por 15 minutos.




Após a visitação, não deixe de entrar na igreja Santa Maria della Grazie, apresentando um teto cheio de detalhes e cores.

2- Duomo de Milão: é um dos locais mais visitados e por isso, caso você esteja viajando com mais uma pessoa, sugiro que um fique na fila de entrada e o outro, vá até a bilheteria para comprar os ingressos. Perde-se muito tempo nas filas e se for uma visita imperdível para você, sugiro que comece o city tour logo por ele.



Realmente, ele é exatamente o que todos comentam: fabuloso. Uma construção  medieval imponente, com vitrais contando as histórias da Bíblia, colunas robustas, órgãos seculares, além dos restos romanos no subterrâneo.






No meu caso, o city tour acabou no Duomo, então, tive que enfrentar uma fila gigantesca para entrar. Mas não tinha jeito, a minha prioridade era ir ao Cenacolo Vinciano (visita realizada às 8h), depois dele que fiz o city tour pela cidade.

3- Galeria Vittorio Emanuele: acredito que seja uma das galerias mais famosas do mundo. Ela une duas praças com muito destaque em Milão: a Praça Duomo e Scala, onde há o suntuoso Teatro Scala.




Tempos atrás, a galeria era o caminho percorrido pela burguesia após o término das apresentações no Teatro Scala. Hoje, é um dos destinos tradicionais da cidade refletindo luxo e sofisticação.

4- Teatro Scala: lugar por onde passou os melhores cantores líricos, ainda considerado, com esplendor, o maior teatro lírico do mundo.



O seu interior é fabuloso e vale a visita. Mas para isso, você precisa se planejar com antecedência para comprar o ingresso.


foto Google
Dica: o Teatro Scala, como alguns outros pelo mundo, vendem ingressos populares. Caso você não tenha comprado nem o ingresso para visitação e nem para assistir um espetáculo nele, pode ir bem cedo até a bilheteria para tentar comprar um ingresso popular para o espetáculo do dia.

5- Castelo Sforzesco: construção medieval que pertencia a família Visconti até a morte do último senhor da dinastia. Bianca Maria, filha dele, herdou a fortaleza e casou com Francesco Sforza. Após a morte do imperador Filippo Maria, os milaneses proclamaram a República Ambrosiana e Francesco Sforza, como tinha muita influência política na época, foi aclamado pelo povo como senhor de Milão.



Foram anos de tentativa de reconstrução de algumas alas do castelo e embelezamento, tendo o seu término, com o seu sucessor, Galeazzo Maria, o filho mais velho que mudou-se para o castelo com sua esposa Bona Di Savoia, cunhada do rei da França, Louis XVI.





Depois de algumas lutas pelo poder, o castelo passou por destruições e reconstruções até chegar ao que é hoje.

Dica 1: se tiver pouco tempo na cidade, deixe para conhecer o museu e a obra Pietá de Michelangelo, após as 16:30h, onde a entrada é gratuita para todos. Mas se o tempo não tiver colaborando, então vale a pena visitá-lo cedo.





 Dica 2: fuja dos grandes grupos. A Pietá fica localizada numa sala reservada e vale a pena entrar antes deles.





Com certeza, a beleza do castelo está dentro dos museus, com as obras de importantes pintores e escultores decorando suas salas.










6- Parque Sempione: ele é o pulmão verde de Milão, antes, jardim do castelo e hoje em dia, onde os milaneses passam os seus tempos livres, curtindo o fim de tarde ou fazendo piqueniques nos finais de semana. Sua extensão é surpreendente e caso você queira percorrê-lo a pé até a outra ponta, encontrará o Arco della Pace (réplica do Arco de Triunfo).




7- Pinacoteca de Brera: acredito que ela é a mais famosa instituição de arte de Milão. Em minha mente, Pinacoteca é sinônimo de qualidade e bom gosto.

A de Milão, não fica para trás. Ela foi fundado na época napoleônica e hoje, conquistou uma das maiores coleções de arte entre os séculos XIII e XIX.


foto Google
Grandes artistas italianos marcam presença como Raffaello e Caravaggio, o último marcante forte presença em Roma e Veneza.

8- Basílica de Sant'ambrogio: construída no século XI, onde era um antigo templo. O  exterior não é tanto convidativo, mas o seu interior é grande, constituído por três naves. Ela fica localizada próximo à igreja Santa Maria della Grazie e é conhecida por guardar as relíquias de Santo Ambrósio, o padroeiro de Milão.


foto Google
9- Conhecer o comércio na Via Dante: entre o metro Cairoli e Cordusio. Rua popular com muitas vitrines, farmácias, restaurantes, bares e lojinhas.






10- Quadrilátero da Moda: Via della Spiga, Via Montenapoleone, Via Manzoni e Corso Di Porta Venezia. Essas são as ruas mais famosas do mundo da moda, onde os preços acompanham o glamour de cada grife internacional.



Um mercado de luxo para poucos, mas nós, pobres mortais, podemos bater perna e olhar a beleza desse mundo, com suas vitrines fabulosas. O local é seguro e elegante.

Dica: não esqueçam de apreciar as construções e alguns palacetes localizados nessa região.


Aprenda a planejar a sua viagem e não esqueça de alguns detalhes fundamentais, como:

1- O Seguro Viagem: hoje em dia, não tem como viajar para o exterior sem o seguro viagem. Há diversos no mercado, por isso, eu sempre pesquiso pelo Seguros Promo

Você preenche o destino e a data da viagem e ele faz uma busca com as seguradoras do país,  informando o melhor preço. 




2- O aluguel do carro: outro item que a gente faz perder um tempão pesquisando. Hoje, eu faço a minha pesquisa através da Rent Cars, um site que compara aluguel de carro em mais de 100 locadoras do mundo. 

Sem contar que pode pagar em Real, evitando o pagamento do IOF.





Vejam também:





2 comentários:

  1. Amo essa cidade!
    Vivi por 4 anos aí e meu filho Antonio �� nasceu ali.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também gostei muito de Milão e quero voltar. Que linda história! Parabéns.

      Excluir

Obrigada por sua mensagem!