Praias no Espírito Santo

Márcia Cossatis fala sobre a sua trajetória como atleta master de natação!


A nadadora Márcia Cossatis representará o Brasil no Campeonato Mundial Masters de Esportes Aquáticos que acontecerá em Budapeste, na Hungria, de 14 a 20 de Agosto de 2017.

Dia a dia da atleta na página no Facebook: Márcia Cossatis - Atleta Master de Natação


Venha conhecer um pouco mais dessa atleta guerreira, que não foge à luta, com muitos sonhos e vontade de ver o seu esporte em destaque nas piscinas internacionais.


1- Quando você começou a treinar e com quantos anos?

Quando criança, comecei aos 5 anos, até um pouco tarde. E parei cedo, com 14 anos. Nem cheguei a competir aos 14 anos, já que faço aniversário no começo do ano e parei antes das primeiras competições.

Então em 1996 voltei a nadar, aos 24 anos. Depois de 10 anos parada, estava já formada e trabalhando. Conseguia treinar 3 vezes na semana e as aulas eram somente 45 minutos.

Já voltei a competir como pré-master naquele mesmo ano, ainda sem saber como funcionavam direito as competições masters.



2- A natação sempre foi a sua paixão ou já praticou outros esportes?

Já pratiquei sim outros esportes, mas posso dizer, sem sombra de dúvida, que a natação é minha paixão. Peguei onda de bodyboarding, tentei umas corridas e vi que não é para mim hehehehe... E já fiz Yoga. 




3- Como você imagina o futuro da natação no Brasil?

Eu  me considero uma pessoa otimista, mas o país está num momento tão triste e complicado que está difícil me manter no otimismo. Porém com essas mudanças acontecendo na CBDA (Confedereção Brasileira de Desportos Aquáticos) esperamos que seja sim o recomeço, a oportunidade da natação se tornar mais democrática. Afinal, é um esporte bastante elitista. Tem que investir na base e nosso país é pobre. A Joanna Maranhão está com um projeto para democratização da natação chamado Emancipa Esporte. Uma ideia sensacional.



4- Como é a sua rotina de treinos? Ou como divide o treino atualmente?

Atualmente treino por volta de 2 a 3 horas por dia, normalmente após o trabalho: 1 hora a 1 hora e meia de treino na piscina e depois um complementar físico tanto musculação como funcional. O treino de natação é diário, já os treinos físicos são 4 vezes na semana.




5- Como surgiu o projeto Budapeste em sua vida?

Como estive praticamente parada no ano de 2016, por motivos pessoais, não participei de nenhum campeonato a nível nacional ou internacional ano passado. Resolvi retomar os treinos no final do ano passado e tinha que colocar uma meta para motivação própria. Eu preciso disso. Um objetivo, traçar os planos

Então já olhei logo para o Mundial Master de Budapeste, pois desde 2010, quando participei de meu primeiro campeonato Mundial Master da FINA, não havia perdido um. Não seria em 2017 que ia deixar isso acontecer, no meu primeiro ano de nova faixa etária 45+. 

Desafio enorme, já que na nossa idade e nesse esporte, o condicionamento é facilmente perdido e arduamente reconquistado. J



6- Quais são os seus sonhos?

Na natação, sonho em conciliar o meu trabalho com os treinos, seguindo com saúde, pois sou muito feliz fazendo esse esporte. Continuar como atleta master.

E no âmbito mais geral, espero um dia que o mundo seja mais justo para todos.



Veja a programação do Campeonato Mundial Masters de Esportes Aquáticos.


Obrigada Márcia por compartilhar conosco a sua trajetória nas piscinas. Nós, brasileiros, estamos torcendo para que a sua ida a Budapeste proporcione muitas alegrias em sua vida. Vai Márcia!!  

Nenhum comentário

Obrigada por sua mensagem!